O que esperar dos times e dos treinadores brasileiros na Copa Libertadores

A Copa Libertadores das Américas, campeonato mais importante da América do Sul, chega a sua fase semifinal com a disputa entre argentinos e brasileiros pela supremacia do futebol no continente.

O torneio pré-classificatório teve início no dia 21 de janeiro de 2020 com o jogo Carabobo 01 Universitário 01. Nesta fase participaram dois dos grandes times do Brasil, o Internacional de Porto Alegre e o Sport Clube Corinthians Paulista. Somente o Inter dirigido pelo Argentino Eduardo Germán Coudet conseguiu a classificação para a fase de grupos.

A fase de grupos, que teve os 32 clubes divididos em 08 grupos com 04 componentes em cada um deles, teve início no dia 03 de março. Devido aos problemas de saúde pública, entenda-se Pandemia do Covid 19, a competição foi interrompida logo após a realização da segunda rodada, mais especificamente no dia 12 de março de 2020, retornando somente 5 meses depois no dia 15 de agosto, quando tivemos a realização dos jogos da terceira rodada do certame. Participaram desta fase 7 equipes representando o futebol brasileiro, ou seja, Flamengo, Palmeiras, Athetico Paranaense, São Paulo, Grêmio, Internacional e Santos. A grande decepção foi o São Paulo do técnico Fernando Diniz que foi o único time brasileiro a ser eliminado nesta fase da competição.

Na fase oitavas de final o Athetico PR foi eliminado pelo River Plate com um empate em casa 1 a 1 e derrota na Argentina por 0 a 1. O Internacional enfrentou o Boca Junior em casa e perdeu por 0 a 1. No jogo da volta devolveu o placar de 0 a 1, no entanto na cobrança dos tiros livres diretos da marca penal, foi derrotado por 5 a 4 e eliminado da competição. O Flamengo, de quem esperava-se muito, já que possui um dos elencos mais categorizados, a época dirigido pelo espanhol Domenec Torrent, também foi eliminado por um time argentino, o Racing Club de Avellaneda que, após dois empates pelo mesmo placar de 1 a 1, venceu nos tiros livres diretos da marca penal pelo inapelável 5 a 3. Portanto, até aqui os treinadores argentinos atuaram como carrascos dos treinadores dos times brasileiros.

Ainda na fase de oitavas de final, no tocante aos aspectos positivos para o futebol do Brasil, tivemos o Santos se classificando pelo critério de gols marcados na casa do adversário, já que venceu a Liga de Quito por 1 a 2 no jogo de ida e foi derrotado no jogo da volta pelo placar mínimo de 0 a 1. Já o Grêmio não teve maiores problemas com seu adversário, o Guarani do Paraguai, vencendo nos jogos de ida e de volta pelo mesmo placar de 2 a 0. O Palmeiras, após a demissão de Luxemburgo, mudou de patamar, primeiro com o interino Andrey Lopes, depois com a chegada do português Abel Ferreira. Nesta fase o Palmeiras foi o time brasileiro que teve melhor aproveitamento vencendo o fraco Delfin do Equador por 1 a 3 no jogo de ida e 5 a 0 no jogo da volta.  

Nas quartas-de-final, no confronto entre dois brasileiros, o Santos dirigido pelo treinador Cuca, suplantou o Grêmio do falastrão Renato Gaúcho, empatando o jogo de ida, em Porto Alegre, pelo placar de 1 a 1 e vencendo de forma acachapante na Vila Belmiro pelo placar de 4 a 1.  O Palmeiras, mesmo com inúmeros atletas infectados pelo vírus da Covid 19, passou pelo Libertad do Paraguai, empatando o jogo de ida por 1 a 1 e vencendo o jogo da volta por 3 a 0 no Allianz Parque.

Na outra parte da tabela, os dois principais clubes argentinos, Boca Juniors e River Plate eliminaram respectivamente o Racing Club de Avellaneda e o Nacional do Uruguai. Portanto, teremos no dia de hoje o primeiro jogo das semifinais entre River Plate e Palmeiras e amanhã o confronto entre Boca Junior e Santos.

São dois times argentinos, dirigidos por dois treinadores de nacionalidade argentina. Miguel Ángel Russo já trabalhou no Boca Juniors e conquistou o título da Libertadores no ano de 2007 quando venceu o Grêmio. É um treinador experiente, tem 63 anos e já treinou times da Espanha, Chile, Equador, Colômbia e Peru. Marcelo Daniel Gallardo é técnico do River Plate desde 2014 e nesse período conquistou vários títulos, sendo os mais importantes a Libertadores de 2015, quando venceu o Tigres do México e a Libertadores de 2018, quando venceu seu grande rival o Boca Juniors.

Do lado brasileiro temos Alexi Stival, mais conhecido como Cuca, um treinador que carrega o estigma de “azarado” e que tem como maior trunfo na carreira a conquista da Libertadores de 2013 com o Clube Atlético Mineiro, quando derrotou o Olímpia do Paraguai em uma final dramática decidida através dos tiros livres da marca penal. Pelo lado do Palmeiras o treinador é Abel Fernando Moreira Ferreira, um jovem técnico português com pouca experiência, já que dirigiu apenas as equipes S. C. Braga de Portugal e a equipe do Paoka da Grécia. O Palmeiras é apenas o seu terceiro trabalho como técnico de futebol profissional. 

Isto posto, vamos ao que interessa, já que nesta coluna o que importa é ter opiniões incisivas e jamais ficar “em cima do muro” ou “en la cerca”, como diria nossos hermanos.

A muito tempo questiono os conhecimentos dos treinadores brasileiros que na minha opinião enxergam o jogo de futebol com os óculos do século passado. Portanto, sem nenhum constrangimento e sem medo de errar estamos afirmando que no jogo de hoje entre River Plate e Santos, o time do “azarado” Cuca será derrotado e no jogo da volta não terá futebol suficiente para reagir, ou seja, não chegará a grande final.

No jogo de amanhã entre Boca Juniors e Palmeiras a previsão também não é das melhores, já que o time do português Abel Ferreira enfrentará seu primeiro grande obstáculo nesta competição. Até agora só pegou “mamão com açúcar” como diria Dadá Maravilha. E apesar do jovem técnico português ter demonstrado conhecer os meandros do jogo de futebol jogado no século XXI, penso que ainda lhe falta um pouco mais de experiência e esse poderá ser um fator preponderante nesta fase da competição.

E tenho dito!  Por: Walério Melo

Compatilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *